facebook twitter rss youtube

Notícias

Posse do novo presidente reúne gestores de todo o Brasil.

O novo presidente da Federação Nacional das Associações dos Gestores da Caixa Econômica Federal (FENAG), Almir José de Sousa, tomou posse na noite desta quarta-feira (5), em Brasília, durante evento que reuniu 120 convidados entre gestores, autoridades e empregados da Caixa Econômica Federal (CEF). Realizada nas instalações do hotel Windsor Plaza, a cerimônia de posse apresentou a nova diretoria executiva composta pelo presidente, vice-presidente, oito diretores, seis conselheiros fiscais e cinco vice-presidentes regionais.

Gerente Geral do estado do Paraná, Almir é membro da AGECEF desde os anos 90, tendo ocupado diversos cargos neste período. De acordo com o novo presidente, a sua missão é assumir o trabalho de qualidade que já vinha sendo feito pelo ex-presidente Nilson Moura e sua diretoria. “Quero dar continuidade e cada vez mais evoluir e profissionalizar a FENAG. A Caixa trabalha com políticas públicas e nossos gestores estão lá na ponta prestando serviços para a sociedade. Esse momento político que vivemos é um complicador, mas também uma oportunidade de fortalecimento da empresa por meio dos seus gestores. Por isso é importante pensarmos sempre em prestar um bom serviço à sociedade”, disse.

Nilson Moura, ex-presidente, elencou durante seu discurso as ações que foram realizadas durante a sua gestão. “Durante esses quatro anos que estivemos à frente da FENAG conseguimos transformá-la dando maior visibilidade a ela”. O gestor citou ainda a trajetória de sucesso da sua diretoria junto à Federação. “Firmamos muitas parcerias importantes e estivemos em várias ocasiões no Congresso Nacional nos reunindo com os mais diversos deputados e senadores, sempre levando a bandeira em defesa da Caixa e dos empregados”.

Presente ao evento, o deputado Aliel Machado parabenizou a nova diretoria e falou sobre o papel da Caixa. “A Caixa Econômica cumpre um papel importantíssimo na vida de todo brasileiro e os gestores são aqueles que fazem a instituição acontecer de verdade. Sei que toda a diretoria tem uma larga experiência de trabalho, de dedicação voltada ao banco e agora, por meio da FENAG, tenho certeza absoluta que irão contribuir com sua experiência para uma gestão de qualidade”, afirmou.

Sobre a FENAG

A FENAG teve sua primeira gestão em 1992 e, desde então, promove encontros nacionais congregando 31 associações de diversas regiões do País. Entre seus objetivos estão: representar as Associações de Gestores (AGECEF) estimulando sua união, solidariedade, defesa dos interesses dos associados e apoiando suas reivindicações; estimular às AGECEF para o investimento no desenvolvimento intelectual, cultural e profissional à todos os gestores; promover congressos e encontros entre as associações filiadas; prestar assessoria jurídica, técnica e administrativa à todas os gestores associados as AGECEF; exercer atividades de caráter filantrópico; atuar e zelar em defesa da imagem da CAIXA, cooperando tanto com a própria, quanto com as demais entidades ligadas a ela. Defesa incondicional dos participantes do Fundo de Pensão dos empregados da CAIXA a FUNCEF.

Por fim a FENAG representa os mais de 20.000 gestores da Caixa Econômica Federal.


Durante evento realizado na Capital Federal, Almir Sousa assume Federação.

A Federação Nacional das Associações dos Gestores da Caixa Econômica Federal (FENAG) empossa seu novo presidente no próximo dia 5 de julho, em Brasília, durante evento que contará com a presença de associados, gestores e autoridades da Administração Pública Federal e do Congresso Nacional. No mês de abril, a chapa ‘Liderança e Evolução’, composta por Almir José de Sousa e pelo vice Mairton Neves, foi eleita pelos associados das AGECEF após amplo debate entre as 31 Associações dos Gestores de todo Brasil.

Gerente Geral do estado do Paraná, Almir é membro da AGECEF desde os anos 90, tendo ocupado diversos cargos, inclusive o de presidente. Hoje, o profissional é um dos membros da atual diretoria da FENAG. Almir Sousa ocupa, a partir da sua posse, o cargo comandado atualmente pelo presidente Nilson Moura, que esteve à frente da Federação por quatro anos.

A FENAG se consolidou como uma das principais entidades representativas que se engajaram na luta em defesa da CAIXA 100% PÚBLICA. Desde o início de 2015, quando surgiram os primeiros rumores de intenção de abertura do capital da CAIXA, a Federação passou a incluir como bandeira de luta e atuação a defesa da CAIXA 100% Pública.

Em sua atuação mais recente, a FENAG tem acompanhado de perto a tramitação da Reforma Trabalhista. Nos últimos meses de maio e junho, os membros da Federação estiveram com os senadores Ricardo Ferraço, Humberto Costa e Paulo Paim, levando a preocupação da entidade com o artigo que tratava sobre incorporação de função gratificada.

Sobre a FENAG

A FENAG teve sua primeira gestão em 1992 e, desde então, promove encontros nacionais congregando 31 associações de diversas regiões do País. Entre seus objetivos estão: representar as Associações de Gerentes (AGECEF) estimulando sua união, solidariedade, defesa dos interesses dos associados e apoiando suas reivindicações; estimular às AGECEF para o investimento no desenvolvimento intelectual, cultural e profissional dos associados; promover congressos e encontros entre as associações filiadas; prestar assessoria jurídica, técnica e administrativa à todas os gestores associados as AGECEF; exercer atividades de caráter filantrópico; atuar e zelar em defesa da imagem da CAIXA, cooperando tanto com a própria, quanto com as demais entidades ligadas a ela. Defesa incondicional dos participantes do Fundo de Pensão dos empregados da CAIXA a FUNCEF.

Por fim a FENAG representa os mais de 20 gestores da Caixa Econômica Federal.

                                                        

Representantes de várias AGECEF’s representaram os Gestores da CAIXA no 33º CONECEF, que aconteceu em São Paulo, no último final de semana.

Esses representantes defenderam, principalmente, as propostas que compõem a pauta da classe, que foram apresentadas através de suas bases nos estados.

O Diretor de Relações Trabalhistas e Qualidade de Vida, Marconi Apolo, coordenou os trabalhos do grupo, durante o CONECEF. Segundo o Diretor, o primeiro objetivo já foi alcançado, com a inclusão das propostas nas bases. Agora, o nosso papel no CONECEF é a defesa das propostas, para que elas façam parte do documento que será aprovado ao final do evento, e será levado à Mesa de Negociação Permanente, através da CEE/CAIXA.

Ainda segundo o Diretor Marconi Apolo, “a classe gerencial da CAIXA, através dos seus representantes, dirigentes das AGECEF”s e da FENAG, tem grande potencial para contribuir para a construção de um documento, a partir do CONECEF, que represente os anseios, as necessidades e as expectativas de todos os empregados da CAIXA e a realidade da nossa empresa, com base numa conjuntura política e econômica”.

A pauta dos gestores contempla vários temas, como GDP, verticalização, controladoria das unidades, atribuições de cargos, SIPON, análise curricular em PSI, condições de trabalho, reposição de empregados, saúde mental no trabalho e FUNCEF.

                                                              

Foi rejeitado por 10 votos a 9, na Comissão de Assuntos Sociais o relatório de Reforma Trabalhista apresentado pelo senador Ricardo Ferraço PSDB/ES.

No lugar do parecer do senador Ferraço, a Comissão aprovou um texto alternativo, do Senador Paulo Paim (PT-RS), que recomenda a rejeição integral da reforma.

Mesmo com a reprovação o relatório segue a Comissão de Constituição e Justiça. No tramite no senado o relatório passa por três comissões: a Comissão de Assuntos Econômicos – CAE (que aprovou o relatório do Senador Ricardo Ferraço), a Comissão de Assuntos Sociais – CAS (que votou e reprovou o relatório hoje) e a Comissão de Constituição e Justiça – CCJ (que será a próxima Comissão a analisar o Projeto). Depois disso a Proposta de Reforma Trabalhista vai para o plenário do Senado, onde haverá a votação final.

A FENAG tem acompanhado de perto a tramitação da Reforma Trabalhista desde que ela era discutida na Câmara Federal. Nos últimos meses de maio e junho, os membros da FENAG estiveram com os senadores Ricardo Ferraço, Humberto Costa e Paulo Paim, levando a preocupação da entidade com a possível aprovação da Reforma pelo Senado Federal, nos moldes em que fora aprovada na Câmara Federal, externando principalmente a preocupação com o artigo 468, parágrafo segundo que determina o fim da incorporação da função gratificada.

Entendemos que a rejeição do relatório do relator Ricardo Ferraço é uma importante demonstração que é possível barrar a Reforma Trabalhista e rediscutir com a sociedade novos caminhos.

 

 

Nesta terça-feira, dia 13/06, foi lançada no Senado Federal a Frente Parlamentar, em Defesa dos Bancos Públicos. Essa foi uma iniciativa do Senador Lindbergh Farias PT/RIO, que é o autor do projeto, junto com o Deputado Federal José Carlos PT/MA, que coordena os trabalhos da Frente na Câmara. A Frente Parlamentar conta com a assinatura e apoio de diversos parlamentares, dos mais variados partidos políticos.

Durante o evento, ficou latente a necessidade de a sociedade brasileira manter públicas suas instituições. Neste contexto de bancos públicos, o Estado brasileiro necessita deles para que façam, assim como fizeram no passado, uma política anticíclica, levando crédito à população e às empresas, de forma a fazer a roda viva da economia girar positivamente.

Participaram do lançamento da Frente, além dos parlamentares citados, os senadores Roberto Requião PMDB/PR, Vanessa Grazziotin PCdoB/AM, Gleisi Hoffmann PT/PR, além dos Deputados, Enio Verri, Carlos Zaratini, José Guimaraes, Erika Kokai entre outros, além de lideranças do movimento sindical. A FENAG foi representada pelo seu presidente, Nilson Moura. Antes do lançamento da Frente, aconteceu o seminário “Estratégias para Financiar o Desenvolvimento”, tendo como convidados debatedores: o Professor de Economia da UNICAMP – Fernando Nogueira, o Governador do Piauí, Wellington Dias o Economista Luiz Gonzaga Belluzzo e a presidente do Sindicato dos Bancários de São Paulo – Juvandia Moreira.

Durante o seminário, ficou muito evidente a importância das Instituições Financeiras Públicas e do crédito para o crescimento do PIB, ao afirmarem que um banco como a Caixa tem condições de alavancar nove vezes, e que os bancos públicos podem ser usados como balizadores do mercado, freando uma alta de juros, por exemplo. O papel dessas instituições no crédito imobiliário e rural e o atendimento que elas fazem à população mais carente são apenas alguns exemplos, entre vários outros.

Ainda foi destacada a importância dessas Instituições quanto à participação nos pequenos municípios do país. Dos 5590 municípios que o Brasil possui, apenas 2/3 possuem agências bancárias, sendo que, na maioria dos pequenos municípios, existe apenas uma agência bancária é, quando os tem, é um banco público: não há interesse dos bancos privados em estar nessas praças.

“A Frente parlamentar terá novas tarefas a partir de agora e entendemos ser o momento do engajamento das entidades representativas. As atividades nos estados e municípios são fundamentais para sensibilizar os prefeitos, governadores e a população em geral sobre a importância de tal iniciativa”, afirma o presidente da FENAG, Nilson Moura, e completa “Ela (a Frente Parlamentar) amplia a discussão quanto à importância dos bancos públicos, no seu papel de fomentar o crédito e políticas sociais”.



Cadastre-se e fique por dentro de
todas as notícias da FENAG.

Integração - Mail2Easy PRO




(61) 3223 0240
contato@fenag.org.br

SRTV/SUL Edifício Palácio do Rádio II
Bloco II - Sala 422 - Brasília - DF
70340-902

facebook  twitter  rss