Mais uma vez justiça assegura participação da Chapa 2 nas eleições da Funcef


Desembargadora do TJDFT nega recurso arbitrário da Funcef, deixando claro que os candidatos da Chapa 2 estão aptos a concorrer ao pleito




O Tribunal de Justiça do Distrito Federal e Territórios (TJDFT), através de sua desembargadora e relatora do processo, negou no último dia 4 de novembro, provimento ao recurso de embargos de declaração proferido pela Funcef. Desta forma, mais uma vez, a justiça deixa claro que os candidatos inscritos na Chapa 2 – Juntos em Defesa da Funcef, estão aptos a concorrer e foram legalmente inscritos no pleito eleitoral.

Em defesa de um processo eleitoral transparente e democrático na Funcef, a Fenae (Federação Nacional das Associações do Pessoal da Caixa Econômica Federal) e a Fenag (Federação Nacional das Associações dos Gestores da Caixa Econômica Federal) destacam com estranheza a decisão arbitrária da Funcef de tentar impugnar decisão favorável a Chapa 2 - Juntos em Defesa da Funcef.

A Funcef administra recursos de todos os participantes, aposentados e ativos. Conscientes sobre a  importância de acompanhar os desdobramentos do processo eleitoral aos cargos para os Conselhos Deliberativo e Fiscal - iniciado em fevereiro deste ano - a Fenae e a Fenag, divulgaram em suas redes, esclarecimentos sobre o andamento do mesmo. O objetivo é assegurar um pleito transparente e democrático.

Vale lembrar que foi concedida aos candidatos da Chapa liminar que suspendeu as eleições da Funcef devido à falta de transparência no processo eleitoral da Fundação. 

Retomada do Calendário Eleitoral

Agora, o que se espera da Funcef é que a Comissão Eleitoral proceda de imediato a retomada do calendário do processo eleitoral ao Conselho Deliberativo e Conselho Fiscal da Fundação, partindo exatamente do ponto em que foi indevidamente suspenso à época.

É importante ressaltar que o mandato dos Conselheiros Eleitos se encerrou em maio de 2020 e o processo de escolha deve ser liberado para que de forma legítima, os participantes e assistidos possam escolher seus representantes nos Conselhos, para os próximos quatro anos.



Compartilhe