NOTÍCIAS

08
Fev

FUNCEF: Será que podemos realmente dormir tranquilos com a concentração de investimentos da FUNCEF na empresa VALE?

Por: Adenir Marcarini - Diretor de Relações Humanas e Relacionamento com Aposentados da AGECEF/SC


Todos nós, seguramente, já ouvimos a expressão “não guarde todos os ovos na mesma cesta”. Esta frase, que também pode ser percebida frequentemente no meio financeiro, nos remete à prudência e à responsabilidade indispensável ao nosso processo de tomada de decisões.  Como sabemos, vários Fundos de Pensão brasileiros, entre os quais se destaca a FUNCEF, possuem grande concentração de recursos no ativo VALE, que por sua vez, é fortemente dependente da produção e comercialização do minério de ferro.

É importante registrar que a VALE, cujos ativos estavam sendo negociados na BOVESPA , no início de 2016, em patamares de preços inferiores a R$ 10,00 por papel, hoje registra recuperação e apresenta valores de mercado para os seus ativos, que oscilam próximos aos R$ 90,00 por título, ou seja, houve uma valorização superior a 1000%, em apenas cinco anos, trazendo alivio para a grande maioria dos planos de previdência, administrados pela FUNCEF.

Por outro lado, torna-se indispensável considerarmos que em economia e finanças, assim como em outros aspectos da vida quotidiana, estamos sempre sujeitos aos efeitos cíclicos das oscilações dos mercados. Assim, crises econômicas e financeiras podem, a depender da profundidade das mesmas, provocar recessão e instabilidades, o que, por sua vez, pode produzir o chamado reapreçamento dos ativos e derrubar drasticamente o valor de mercado de empresas como a VALE, com impacto imediato e estrondoso para todos os seus acionistas, assim como já presenciamos no passado não muito distante.

Apostar grande parte do nosso patrimônio, que é o patrimônio da FUNCEF, em investimentos concentrados numa única empresa e num único setor da atividade econômica, nos expõem sobremaneira e de forma preocupante, já que, além de todos ansiarmos pela eliminação dos déficits e equacionamentos, que tanto nos sufocam e aprisionam, também percebemos a necessidade de ocorrências de superávits e de excedentes financeiros, que nos permitam recompor o poder de compra de nossas aposentadorias e pensões, duramente prejudicadas pela alta inflação dos últimos períodos, e que supera com folga a variação do INPC.

Analisando as prévias dos resultados do terceiro trimestre de 2020, apresentadas pela Fundação, no final de janeiro deste ano, podemos chegar a algumas conclusões bastante relevantes. Percebe-se, por exemplo, que 55% do resultado obtido, advém da variação positiva das cotas do Fundo de Investimento em Ações da Carteira Ativa II da VALE, que saltou 28,09% no trimestre.  O peso da mineradora para os números da FUNCEF é tão impactante que, por exemplo, para os colegas que ainda se encontram na ativa e vinculados aos planos REB e Novo Plano, que não colhem os mesmos frutos do desempenho da companhia VALE, restou o amargor e o desapontamento pelo não atingimento, sequer da meta atuarial, no período mencionado.

No mercado doméstico, temos mais de 300 empresas listadas na bolsa de valores, que apresentam ótimos fundamentos e tantos outros fora deste mercado, que não podem ser negligenciados pelos formuladores e pelos  gestores de políticas de investimentos da FUNCEF. Entretanto, a FUNCEF necessita buscar urgentemente novas alternativas de investimento que nos permitam o atingimento de novos patamares de resultados para os participantes da Fundação.

Há muitas oportunidades tanto no mercado interno quanto no mercado externo, opções de curto, médio e longo prazos, e explorar melhor as oportunidades nos setores de proteína animal, óleo, gás, moedas, juros ,cripto e outros.

Hoje, com a taxa Selic de 2% a.a., necessitamos ser mais arrojados na alocação dos nossos recursos, sem, evidentemente, abrirmos mão da devida prudência e zelo com o tratamento dos recursos que a nós todos pertence. Aproveitar as opções de investimentos no mercado internacional é uma janela importante a considerarmos, pois são milhares de alternativas em vários setores distintos, quando sabemos que internamente, temos no Brasil, um leque bem mais limitado. Abrir mão desta alternativa de investimentos, equivale, por exemplo, a renunciar aos benefícios oferecidas pelo comércio entre as nações do mundo inteiro, que perceberam há muito tempo, que a interdependência entre os vários povos, é crescente e não exclui nenhum país, por mais autossuficiente que seja.

Indubitavelmente, a dinâmica deste mercado é diferente e exige, além do fiel cumprimento dos normativos vigentes, a gestão de itens específicos e não menos importantes, como a variação do dólar, por exemplo. Entretanto, mesmo que seja a variação da moeda americana um fator de risco para os investimentos no exterior, inclusive apontado por alguns gestores como argumento irrefutável para se abandonar esta tese de investimentos, é  necessário ter presente que os papeis da mineradora VALE, também estão submetidas a mesma sistemática cambial!

Por que não pensarmos em investimentos no setor de tecnologia, segmento em franca expansão, que inclusive se beneficiou enormemente com o advento e com o prolongamento da pandemia? O papa dos investidores, Warren Buffett, que possui investimentos na Apple, Amazon e Coca Cola, entre outros,  atravessou as fronteiras da terra do Tio Sam e investiu em papeis no Japão, nação de economia sólida e moeda forte.

Seguindo outros exemplos de gestores que atuam em países nos quais a taxa básica interna de retorno também é baixa, podemos elencar o maior fundo de pensão canadense, que investiu no Alibaba, a “Amazon chinesa”, muito antes dela se tornar a potência que é atualmente, gerando enorme rentabilidade para seus investimentos.

Reconhecendo a proeminência dos desafios crescentes e as complexidades intrínsecas ao negócio previdenciário dos Fundos de Pensão Fechados brasileiros, lançamos luz sobre os estudos e os debates modernos, que tratam sobre esta questão e que nos dão a convicção de  que a meta atuarial tem e pode ser alcançada, mas somente isto não basta. Muitos de nós arcamos com equacionamentos e descontos em nossos contracheques.

Precisamos urgentemente que a  FUNCEF apresente desempenhos superavitários, que nos possibilite voltar a sonhar com uma renda mensal digna, com reajustes superiores à variação do INPC,  que nos permita recuperarmos nosso poder de compra. É o desejo de todos nós que a FUNCEF se mobilize e direcione suas forças no sentido de avaliar, com cautela e perspicácia, as inúmeras alternativas de investimentos disponíveis, e se esmere no atingimento destes resultados, se quisermos pensar em um futuro mais tranquilo, para nós e para nossos familiares. As opções existem! Mãos à obra!


Assista o a entrevista com o Diretor da AGECEF/SC, Adenir  Marcarini:

Notícias Relacionadas

Moradia e Cidadania e FENAG iniciam seleção das propostas inscritas no Edital 001/2024

FENAG e AGECEFs participam de reunião com a FUNCEF sobre contencioso

NOTA PÚBLICA

Gerentes Gerais serão contabilizados para índice de Vendedores Habilitados apenas em caso de habilitação.

FENAG compõe mesa da 1ª Reunião da Mesa de Negociação Coletiva CAIXA/CONTEC

FALE CONOSCO

ENDEREÇO
SRTV/Sul Edifício Palácio do Rádio II Bloco II Sala 442 - Brasília - DF - 70340-902

TELEFONE
(61) 3223-0240

EMAIL
secretaria-executiva@fenag.org.br